<$BlogRSDUrl$> <body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5523321\x26blogName\x3dEstudos+sobre+a+Guerra+Civil+Espanhola\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://1936-1939.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://1936-1939.blogspot.com/\x26vt\x3d-5296762208344818521', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

30.9.03

Películas da Guerra Civil 

[FICÇÃO]
..

Terra e Liberdade, de Ken Loach

«A guerra em que se centra a acção de «Terra e Liberdade», a 11.ª película do sempre fiel a si mesmo e sempre variável Ken Loach, sem espaço para dúvidas o mais "comprometido", para usar um termo em desuso, dos cineastas contemporâneos, é a de Espanha, em 1936. A que, iniciada há quase sessenta anos e dolorosamente terminada três anos depois, colocou em luta fratricida um país, que ainda não estancou totalmente as suas feridas. E que, possivelmente, foi a última, e acaso também a primeira das que puderam classificar-se de românticas. Sendo, também, romântico, em boa medida - o que não exclui que seja, ao mesmo tempo, rigoroso - o tratamento que o autor leva a cabo, numa perspectiva, forçosamente, exterior, mas nem por isso menos visceral. Que, fazendo das tripas coração, nos conta através de todos os sentidos de David Carr, um jovem inglês de Liverpool, membro do partido comunista local, que, desempregado no seu país, e juntamente com outros idealistas estrangeiros, parte para Espanha para combater nas brigadas do POUM, um partido do povo para o povo (?), de que ele nunca ouvira falar, contra o fascismo do General Franco, e que acaba por enfrentar, não só os facciosos locais, mas também, não tardando muito, os membros do partido a que pertencia, manipulados pelo oportunismo stalinista.

Delineado e desenvolvido em chave epistolar - o que enfatiza o seu carácter subjectivo, que alguns lhe reprovaram tão injusta como equivocadamente - com base nas cartas que o protagonista escrevia à sua namorada que deixou em Inglaterra, embrulhadas num amarfanhado lenço vermelho, e uma bolsa de terra aragonesa, que a sua neta encontra, após a sua morte, numa mala, o filme, por esta ordem, com o coração, as tripas e a inteligência, é, sem dúvida, e referênciado por outros filmes mais animados na sua altura - «Por quem os sinos dobram», «Morrer em Madrid», para só citar dois exemplos contrapostos - o melhor que já foi feito sobre a guerra civil de Espanha [...]. Porque, definitivamente, salvando todas as imensas distâncias, bem podia, baseando-se no mesmo argumento, ter tomado como ponto de partida outra guerra. Já que nos fala da guerra como contrasenso e contrário da revolução, da traição e a morte, e, em suma, como o seu título indica, de dois conceitos tão fundamentais como são os de Terra e Liberdade.

Tão nobre como desassossegado, tão poético como politicamente impecável, tão trágico como, por paradoxal que possa desejar-se, optimista, o filme tem todos os ingredientes capazes de sensibilizar qualquer um, especialmente aqueles que se identificarão com a época retratada e a história em geral. Imprescindível ver este filme, distribuído em Portugal pela Atalanta Filmes [...].

Fonte: Vasco Martins, Voz Portucalense Ano XXVII - Nº 23 - 13 de Junho de 1996

____________

Ficha Técnica
____________

Título do filme: Terra e Liberdade (Land and Freedom)
Itália, Espanha, Reino Unido e AlemanhaI
Direcção: Ken Loach
Duração: 109 minutos
Actores principais: Ian Hart, Rosana Pastor, Icíar Bollaín, Tom Gilroy e Marc Martinez.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Site Meter Copie e Divulgue